Setor Braille da Biblioteca Estadual completa 55 anos

Cultura Acessível

Setor Braille da Biblioteca Estadual completa 55 anos
Setor Braille da Biblioteca Estadual completa 55 anos

Graduada em Artes Visuais – Ênfase em Bidimensional, Literatura Plena em Arte-Educação pela Universidade Federal de Uberlândia, experiências na área de ensino Arte-Educação em instituições culturais, escolas da rede municipal/rural, estadual, particular e federal profissionalizante.

Setor Braille da Biblioteca Estadual completa 55 anos

  Referência em inclusão sociocultural no país, espaço conta com rico acervo e ferramentas para acesso à web

imagem de destaque

Divulgação Setor Braille – Hora do Conto é um dos programas do Setor Braille

A diretora da biblioteca, Alessandra Gino, lembra que o espaço, fundado em janeiro de 1965, tem funcionamento ininterrupto desde então e contempla o público com um acervo que inclui livros acessíveis em Braille, áudio livros, equipamentos adaptados e atividades de incentivo à leitura.

Origem 
“O primeiro passo para viabilizar o setor da biblioteca foi dado em 1954, quando Juscelino Kubistscheck já vislumbrava ‘um espaço polivalente de ações culturais e convivência que atendesse à toda população, incluindo as pessoas com deficiência visual’”, revela Alessandra.

O setor, no entanto, foi criado a partir da transferência do acervo existente na antiga Feira de Amostras, durante o governo de Magalhães Pinto. A partir daí, ressalta ela, o espaço passou a ser um importante polo de leitura acessível. “Para além do acervo em si, é um local de trabalho e convivência fundamentado nos princípios da promoção humana, do voluntariado e da inclusão social, que tem como objetivo oferecer às pessoas com deficiência visual acesso irrestrito à cultura e à informação”.

Acervo e público 
Cerca de 1 mil pessoas com deficiência visual (cegueira e baixa visão) frequentam o espaço por mês. “O público é diversificado e traz diferentes demandas individuais: estudo para concursos, leitura de materiais científicos, leitura de textos em formatos digitais, gravação de apostilas, empréstimos de livros em Braille, áudio livros e filmes com áudio descrição, uso de tecnologias assistivas e outros”, destaca a diretora.

O acervo inclui obras literárias de autores brasileiros e estrangeiros nos mais variados formatos (cerca de 2 mil títulos em Braille, 2 mil áudio livros e, aproximadamente, 70 filmes com áudio descrição), contemplando diversidade em conteúdo e áreas de interesse.

Atividades 
Coordenador do setor e cego desde os 13 anos, Glicélio Ramos Silva chama a atenção para as atividades abertas ao público realizadas no espaço. “Há o “Tempo para Ler”, projeto que consiste na leitura de um autor/autora, seguido de bate-papo sobre vida e obra; o “Clube de Leitura”, atividade trimestral também relacionada à discussão de obras literárias, e o “Café com Poesia”, com edições realizadas a cada semestre com apresentação de poemas, textos e músicas, um sarau misto. Após a declamação e leitura, oferecemos lanche para os presentes, uma confraternização”, explica.

Glicério aponta sucessos entre o público Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Carlos Drummond de Andrade, Machado de Assis, Raquel de Queiróz e Aloísio Azevedo,  e novidades de momento, como a série Cinquenta Tons de Cinza e o livro A Cabana, entre outros. “Eu mesmo já devo ter lido mais de 100 títulos daqui”, comenta. Os empréstimos, afirma ele, têm prazo de devolução ou renovação especial. “Devem ser renovados a cada 14 dias (inclusive por telefone) e, para garantir o uso de equipamentos, boa sugestão é agendar um horário com antecedência. Assim, o usuário garante que seu lugar estará marcado”.

Convite
A diretora Alessandra Gino destaca que o setor é referência em acervo e equipamentos disponibilizados. “Somos reconhecidos pela dedicação e persistência, atenção a parcerias e oportunidades que possibilitam a ampliação dos recursos, confecção de material em Braille, expertise dos funcionários e apoio incondicional do nosso quadro de voluntários”. Ela conta, ainda, que, por meio do edital de acessibilidade lançado pelo antigo Minc, em 2014, o Setor Braille recebeu capacitações, acervos e equipamentos assistivos para se tornar referência em acessibilidade e inclusão, multiplicando o modelo para as demais bibliotecas públicas do estado.

“Queremos convidar a todos que ainda não utilizam os serviços oferecidos para visitar e usufruir do espaço que realiza um trabalho de inclusão sociocultural que transcende o incentivo ao gosto pela leitura. O Braille é, hoje, um ponto de convivência em que as pessoas têm suporte para realizar suas ações diárias com autonomia”, avalia.

Equipamentos disponibilizados no Setor Braille:

Impressora Braille: Permite a produção de livros no próprio espaço em etapas que envolvem a transcrição de obras, escaneamento do texto, revisão, leitura em tinta, conversão do texto para o software da impressora, impressão. Atualmente, o setor conta com cerca de 40 obras ali produzidas.

Máquina de datilografia em Braille: Possibilita escrever em Braille de forma mais ágil do que a reglete. As máquinas também são utilizadas como suporte nos cursos de escrita e leitura em Braille oferecidos pela biblioteca.

Lupa eletrônica: Sistema de ampliação de imagens captadas por uma microcâmera alojada em um dispositivo parecido com um mouse de computador e que é usado ampliar uma imagem a em até 50 vezes, em preto e branco ou colorida.

Lupa eletrônica portátil: Possui um visor que, posicionado sobre o texto ou imagem, exibe o seu conteúdo de forma ampliada.

Reglete e punção: Consiste em uma régua que contém as celas do alfabeto Braille, para que qualquer letra possa ser escrita, utilizando-se para isso a punção. Foi um dos primeiros instrumentos criados para a escrita no sistema. Apesar de antiga, é muito usada por ser leve e fácil de carregar.

NonVisual Desktop Access( NVDA): É um programa que lê o Windows, codificando os signos em sons, para promover a inclusão digital de deficientes visuais. O programa permite a leitura de qualquer texto e está disponível em até 20 idiomas diferentes. Permite, ainda, o contato virtual entre o deficiente visual e o público que enxerga, pois dispõe de atalhos no teclado para ativação e desativação.

Programa Jaws: Sistema de leitura de telas no computador e sintetizador de voz para reconhecimento de comandos efetuados por parte do usuário. Dispõe de comandos para facilitar o uso de programas, edição de documentos e leituras de páginas da internet.

Linha Braille: Também conhecida como Display Braille, é um hardware que exibe dinamicamente em Braille a informação da tela, ligado a uma porta de saída do computador.

Book reader: Trata-se de um modelo de scanner que consegue ler em voz alta o conteúdo da página digitalizada. Proporciona autonomia às pessoas com deficiência visual que podem ter acesso à literatura, assim como materiais didáticos de cursos e concursos.

Cultura Acessível

Graduada em Artes Visuais – Ênfase em Bidimensional, Literatura Plena em Arte-Educação pela Universidade Federal de Uberlândia, experiências na área de ensino Arte-Educação em instituições culturais, escolas da rede municipal/rural, estadual, particular e federal profissionalizante.

Mais postagens da coluna - Cultura Acessível

Artesãs da região Central de Minas Gerais ganham catálogo para divulgar seu trabalho

Artesãs da região Central de Minas Gerais ganham catálogo para divulgar seu trabalho

Cynthia Verçosa 02/01/2020
Espaços culturais de Minas têm opções diversificadas para feriados e férias

Espaços culturais de Minas têm opções diversificadas para feriados e férias

Cynthia Verçosa 26/12/2019
Secult lança editais “Minas de Culturas Populares” com investimento de R$ 2,5 milhões

Secult lança editais “Minas de Culturas Populares” com investimento de R$ 2,5 milhões

Cynthia Verçosa 21/11/2019
Iepha-MG promove curso ICMS Patrimônio Cultural para diversas regiões mineiras

Iepha-MG promove curso ICMS Patrimônio Cultural para diversas regiões mineiras

Cynthia Verçosa 05/11/2019
Agenda do fim de semana da Fundação Cultural de Uberaba

Agenda do fim de semana da Fundação Cultural de Uberaba

Cynthia Verçosa 16/10/2019
Johannes Grau faz show beneficente a convite do Instituto Daniel Franco com apoio da FCU

Johannes Grau faz show beneficente a convite do Instituto Daniel Franco com apoio da FCU

Cynthia Verçosa 14/10/2019
Inscrições gratuitas para o IV Seminário de Economia da Cultura estão abertas

Inscrições gratuitas para o IV Seminário de Economia da Cultura estão abertas

Cynthia Verçosa 04/06/2019
Quer lançar seu livro no VIII Fliaraxá?

Quer lançar seu livro no VIII Fliaraxá?

Cynthia Verçosa 09/05/2019
Iphan abre inscrições para prêmio que valoriza Patrimônio Cultural do Brasil

Iphan abre inscrições para prêmio que valoriza Patrimônio Cultural do Brasil

Cynthia Verçosa 26/03/2019
Orquestra Sinfônica e Coral Lírico fazem concerto gratuito com repertório carnavalesco

Orquestra Sinfônica e Coral Lírico fazem concerto gratuito com repertório carnavalesco

Cynthia Verçosa 25/02/2019
Museu de Arte Sacra oferece passeio pela história do sagrado

Museu de Arte Sacra oferece passeio pela história do sagrado

Cynthia Verçosa 05/02/2019
BNDES investe R$ 25 milhões em preservação de acervo histórico

BNDES investe R$ 25 milhões em preservação de acervo histórico

Cynthia Verçosa 24/01/2019